Artesã realiza exposição de bonecas Abayomis com recursos da Lei Aldir Blanc

Retomando suas atividades culturais após a paralização imposta pela pandemia da Covid-19, com o suporte trazido pela Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, foi lançada nesta sexta-feira, 16, a segunda edição da exposição “Abayomis – Homenagem ao Feminino”. O projeto é financiado pelo edital nº 05/2020 – Cultura Afro-brasileira, lançado pela Fundação de Cultura Elias Mansour (FEM).

A exposição acontece no Centro Espírita Santa Bárbara, localizado no Barro Vermelho, zona rural de Rio Branco. O público que compareceu à abertura é amplo: incluiu filhos de santo e frequentadores da casa e os residentes do seu entorno, além de artesãos e do público geral interessado. A exposição permanece disponível ao público pelos próximos 30 dias, respeitando todas as normas sanitárias recomendadas por decreto estadual.

Ariady Andrade, idealizadora do projeto. Foto: Cedida.


Contam as histórias antigas que, para acalentar seus filhos durante as longas viagens a bordo dos navios negreiros, as mães africanas rasgavam retalhos de suas roupas e a partir deles criavam pequenas bonecas, feitas de tranças ou nós, que serviam como amuleto de proteção e entretenimento para os pequenos. As bonecas, símbolo de resistência, ficaram conhecidas como Abayomis, termo que significa “encontro precioso”, em Iorubá.

Há alguns anos, a pesquisadora e artesã acreana Ariady Andrade vem trabalhando com diversas atividades relacionadas às culturas afro-brasileiras, e as Abayomis ganharam destaque em sua trajetória. “Meu contato com as Abayomis começou em 2006, quando participei do projeto Brincando como Antigamente: Jogos e Brincadeiras Tradicionais, da Fundação Garibaldi Brasil. A partir de então, me encantei pelas bonecas e fui buscar suas origens, passando a estudá-las e pesquisá-las, me aproximando e me apropriando desse saber”, comenta Ariady.

Em 2017, através de oficinas de formação, a artesã passou a compartilhar este saber em diversos espaços, atendendo diferentes públicos. As Abayomis foram ganhando o coração das pessoas: era comum ver os participantes apaixonados pelas bonecas que confeccionavam, cada uma carregada de simbolismos e energias positivas.

Gostou? Compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp